Heitor Gouvêa
menu

A importância de sentar e fazer

July 4, 2018

Image

Esse cara aí da foto sou eu, enquanto tento escrever algo novo para o Medium/LinkedIn. Em mais ou menos meia hora, esse é o quinto texto que tento fazer. E falando sério: não sei se vou terminá-lo. Mas, só levanto daqui quando tiver algo interessante e completo para postar!

Nunca precisei de “inspiração” para escrever alguma coisa, desde sempre essa foi uma habilidade que tive, descobri ela ainda na época do ensino fundamental e, desde então nunca mais parei de escrever — para minha sorte isso até se tornou um trabalho, as vezes atuo como “Technical Writer” para algumas Startups…

Na época da escola ainda era um hobbie, somente escrevia quando tinha vontade de “por algo para fora”, mas hoje não posso fazer mais isso. Assumi um compromisso de escrever, um compromisso de criar conteúdo e, por mais que eu ame escrever, a ideia de que “PRECISA SAIR UM TEXTO HOJE” não está me ajudando nenhum pouco.

Como disse no começo do texto essa é a minha quinta tentativa de escrever um texto, logo, não é por falta de assunto. O maior problema tá sendo desenvolver uma linha lógica em todos os textos, para conduzir vocês leitores — tipo quando um professor de português te ensina a fazer uma fabula lá no ensino fundamental…

Mas por qual motivo estou tendo esse problema tão básico só hoje?! Cara, pra ser sincero só pode ser por um desses dois motivos — ou os dois ao memso tempo:

Tô consumindo bem mais conteúdo físico/digital esses dias… Não sei se isso afeta de fato a forma como eu escrevo — acredito que sim — mas nesses últimos meses comecei a ler uns 110% de conteúdo a mais do que lia normalmente. Hoje é um daqueles dias… Um dia aonde acordei com frio por que a coberta caiu. Um dia chuvoso. Um dia que meu café não estava tão quente. Um dia que perdi umas 3 horas resolvendo coisas no banco — mas aí tinha essa obrigação aqui, de escrever um texto.

Quando fui começar a escrever, fiz o de sempre, fui nos meus rascunhos, aonde eu guardo algumas ideias/raciocínios que tenho ao longo do dia, escolhi algo e comecei.

A primeira tentativa foi um texto sobre a importância do pensamento estratégico para quem trabalha com segurança da informação, escrevi umas 3 linhas e fui pegar uma água.

Mas quando voltei já não estava sentido mais uma “paixão” por aquele assunto, então resolvi escrever outra coisa, novamente abri os rascunhos e dessa vez a escolha foi um texto intitulado “Você não é um gênio”, aonde eu falo sobre uma teoria — baseada em uns livros que li da Ayn Rand — que criei sobre a falsa ilusão que a minha geração tá tendo sobre ser alguém mais inteligente que o comum. Mas depois de uns 4min escrevendo, minha atenção estava sendo perdida para o Facebook e alguns grupos de WhatsApp…

Chegou um ponto em que me dei conta de que só estava atrasando o inevitável.

Pensei “TA HEITOR, CHEGA! SENTA E ESCREVE” e como nenhum assunto nos rascunhos tinha me prendido, decidi começar alguma coisa nova. Foda-se o quê.

Quando abri o Medium vazio, vi a barrinha piscando e me deu um desespero.

Mais uma vez “TA HEITOR, CHEGA! SENTA E ESCREVE”. Me veio na mente que talvez esse seria o título. Mas aí me dei conta que ninguém iria clicar nessa merda.

Aí eu pensei que essa luta por achar o texto certo poderia render um texto legal. Achei que o fato de “sentar e fazer” poderia ser algo que muitos de vocês passam. Achei que seria legal fazer esse texto e comecei.

E aqui estamos nós, não é mesmo? Certa vez ouvi a seguinte frase: “O importante é fazer, mesmo que não seja da melhor forma…”. Mas depois de escrever isso aqui, consegui perceber que não é sobre “sentar e fazer” e sim sobre “por quê eu tô fazendo isso aqui?!”, e respondendo minha própria pergunta: faço isso porque amo, escolhi fazer isso e vou continuar fazendo durante todos os dias da minha vida.

É por isso que acordar de manhã pra ir trabalhar é tão difícil. É por isso que a gente não tem determinação pra fazer trabalho de faculdade. Porque os porquês estão escondidos ou as vezes eles nem existem.

Pra sempre vou lembrar do Golden Circle, do Simon Sinek. O começo é o porquê. O resto vem depois.

Enquanto eu escrevia esse texto, fiz um TimeStamp… Por pura curiosidade, queria ver como é o lado externo desse lance todo de criar um texto novo.


Heitor Gouvêa: com mais de 3 anos de experiência no campo da segurança da informação ofensiva, hoje atua de forma independente como Pesquisador de Segurança da Informação, além de ser o principal desenvolvedor do projeto Nipe, ferramenta responsável por garantir o anonimato a seus usuários, presente em várias distribuições Linux como: Black Arch, Weak Net e LionSec Linux.

Se tu acha que o escritor desse texto tem algum potencial, dá uma olhada nas outras coisas que eu crio. Tenho uma newsletter semanal sobre coisas possivelmente interessantes e até penso em criar um canal no youtube futuramente. Mas falando sério, assina a newsletter que é bem legal e esse é o jeito que a gente pode continuar trocando ideia.